Suporte Dermatológico

O Projeto

Uma Realidade

Cerca de 20 milhões de pessoas tem câncer hoje no mundo e em 2030 serão 27 milhões. Só no Brasil, 600 mil novos casos devem ser diagnosticados neste ano. Apesar dos números, a sobrevida dos diagnosticados vem aumentando devido aos novos tratamentos.
Durante esse processo, no entanto, os pacientes experimentam um alto grau de sofrimento, agravado por alterações dermatológicas e estéticas. Em alguns casos, as terapias podem ser agressivas a ponto de o enfermo precisar abandonar o tratamento. Esse fato reforça a importância do suporte dermato-cosmiátrico ao longo de todo o processo.

Uma Missão

Em 2004, a dermatologista Dolores Gonzalez Fabra criou o primeiro ambulatório do país exclusivamente voltado à reabilitação dermatológica de pacientes com câncer, na Faculdade de Medicina do ABC, em Santo André, na Grande de São Paulo, com o apoio das disciplinas de Oncologia e Dermatologia, e seus respectivos titulares, Dr. Auro Del Giglio, Dr. Luiz Henrique Camargo Paschoal (in memoriam) e Dr. Carlos Machado. Ao longo de anos de trabalho, a médica observou comprovada diminuição no sofrimento, melhora da autoestima e da qualidade de vida dos pacientes.
No entanto, não existe uma dermatologia específica para o paciente com câncer, há ainda pouca integração entre oncologia e dermatologia e falta literatura médica sobre o assunto. Desde o início do projeto, a dermatologista dissemina a ideia de que é necessário criar uma dermatologia específica para os pacientes com câncer e permitir a multiplicação deste conhecimento, em benefício de um número cada vez maior de pacientes.

O Projeto

Atenta à necessidade de suporte dermatológico que os pacientes com câncer demandam durante o tratamento, a Dra. Dolores Gonzalez Fabra passou a se dedicar à compilação de seu extenso conhecimento, angariado ao longo de treze anos tratando pessoas com câncer.
Como resultado, o projeto Suporte Dermatológico para Pacientes Oncológicos distribui este conhecimento para vários públicos: pacientes e cuidadores, médicos oncologistas, radiologistas e dermatologistas, demais profissionais da área médica e comunidade em geral.
Hoje, sua equipe conta com mais de dez profissionais, entre dermatologistas e oncologistas assistentes, 35 acadêmicos e 10 residentes envolvidos no atendimento direto aos pacientes do ambulatório e na colaboração para produção de conteúdo para este projeto. Somam-se a eles os esforços de mais de 20 voluntárias, que atuam em grupos de apoio.